Accueil

 

A viela de Lacan

MELMAN Charles
Date publication : 25/04/2018
Dossier : Traduction éditoriaux

 

Em um sábado de julho, fresco e ensolarado, pela manhã, isso devia ser em 1972 ou 1973, Lacan convocou alguns alunos a seu escritório. Ele os recebeu um após outro, instalado de fato em pijama, no leito do quarto anexo, um chalé de tricô nos ombros e um livro nos joelhos, para exigir deles um trabalho a lhe ser entregue em oito dias. Podia-se ver, nessa urgência, a condição de uma continuidade de seu ensino. Sem dúvida ele se surpreendia de que a formidável mistura que ele operava provocasse talvez o turbilhão, mas não a espuma.

Ao menos dois pontos puderam levar a se agitar os aprendizes de marinheiro:

  • a demonstração de que o INCS não se reduz à bolha do lapso ou do ato falho, mas dirige integralmente as condutas
  • a determinação da vida psíquica, consciente ou não, pela materialidade da ordem da linguagem.

A fuga dos eleitos chamados nesse dia ali por Lacan sem dúvida teve uma incidência sobre o estilo ulterior do Seminário, cada vez menos audível e cada vez mais ornada por imagens, na associação com topólogos que não compreendiam nada; mas tinham pelo menos alguma resposta.

Não se pode recusar em nossa Associação de ter, desde então, dado conta do recado, pelo menos em seu conjunto, o que já é bom.

 Ch Melman - 4 de abril de 2018

 

Tradução : Leticia Patriota

Espace personnel